domingo, 27 de novembro de 2016

O guardador de rebanhos de Alberto Caeiro

Celeste Martinez faz leitura do texto de Alberto Caeiro, um dos heterônimos de Fernando Pessoa

domingo, 6 de novembro de 2016

Na 474° edição do Alacazum palavras para entreter

Celeste Martinez, apresentadora do Alacazum palavras para entreter, faz a leitura de um de seus poemas.

domingo, 23 de outubro de 2016

Cegueira promulgada de Mustafá Rosemberg

Celeste Martinez, faz a leitura do soneto: Cegueira promulgada do médico Mustafá Rosemberg

Texto de Ana Beatriz Almeida

Celeste Martinez, faz a leitura do texto de autoria de Ana Beatriz Almeida

A casa da rua do cais do porto de Amália Grimaldi

Celeste Martinez, faz a leitura da poesia : A casa da rua do cais do porto de Amália Grimaldi

Conto de Celeste Martinez

Celeste Martinez, faz leitura de um conto de sua autoria onde revive a memória de muitas pessoas que fizeram a história da cidade de Valença Bahia

domingo, 9 de outubro de 2016

Crônica: Primavera 2016 de Celeste Martinez

Celeste Martinez faz leitura de uma crônica de sua autoria. Primavera 2016 em Valença Bahia

domingo, 11 de setembro de 2016

Homenagem a professora Aleísa Magalhães

Celeste Martinez faz a leitura da crônica de sua autoria em homenagem a professora Aleísa Magalhães

11 de setembro de 2001

Hoje, 11 de setembro de 2016, na 467° edição do Alacazum, relembramos sobre o trágico 11 de setembro de 2001

I Sarau do Beco

O I Sarau do Beco, organizado pela escritora e locutora Celeste Martinez e pela professora Meg Heloise, serviu também para comemorar os 10 anos de existência do único programa cultural da cidade de Valença Ba Na foto, Celeste Martinez com lírios ofertados pela professora Aleísa Magalhães.

Lírios presenteados pela professora Aleísa Magalhães ao Alacazum pelos 10 anos

Celeste Martinez, apresentadora do Alacazum homenageada com lírios, pela professora Aleísa Magalhães pelos 10 anos de existência do programa na cidade de Valença Ba

Mary Luz fala da importância do Alacazum em sua vida

 No I Sarau do Beco, encontro com ouvintes-leitores do Alacazum. Mary Luz fala sobre a importância do programa em sua vida

domingo, 28 de agosto de 2016

Desafio musical: Cláudia Barroso

Na 465° edição do programa radiofônico Alacazum palavras para entreter deste domingo, 28 de agosto de 2016, apresentado pela escritora e locutora Celeste Martinez, no horário das 8 ás 9 h, transmissão ao vivo 87,9 Rio Una FM o desafio musical foi com a cantora brasileira Cláudia Barroso. Tocamos duas músicas: A vida é mesmo assim e Se Deus me ouvisse. Foram muitos os telefonemas a maioria das pessoas acertaram. Mais também foi confundida com a cantora Angêla Maria e Darlene.
Fonte da imagem: Google

domingo, 21 de agosto de 2016

Os ombros suportam o mundo de Carlos Drummond de Andrade


Desculpe-me os internautas pela ausência

Peço desculpas aos internautas frequentadores desta página pela ausência. Acomete-me tarefas por demais cansativa e quase nenhum tempo para o que eu mais amo fazer.

quinta-feira, 30 de junho de 2016

Na 444° edição do Alacazum palavras para entreter



Na 444° edição do programa radiofônico Alacazum Palavras Para Entreter, apresentado pela escritora Celeste Martinez e que foi ao ar no dia 03 de abril de 2016, das 8 às 9h, domingo, transmissão ao vivo Rio Una FM 87,9, o tema versou sobre as mais belas canções de nossa infãncia baseado no livro acima descrito.

Socializamos mais uma vez o Curso de cinema para jovens de escola pública em Valença Bahia


Esctamos várias músicas


Na 444° edição do programa radiofônico Alacazum Palavras Para Entreter, apresentado pela escritora Celeste Martinez e que foi ao ar no dia 03 de abril de 2016, das 8 às 9h, domingo, transmissão ao vivo Rio Una FM 87,9, apreciamos as seguintes músicas:  A banda com Chico Buarque; Ninguém vai tirar você de mim com Jose Roberto; As cores de abril Toquinho; Ivanildo Sax de ouro

Na 443° edição do Alacazum palavras para entreter


Na 443° edição do programa radiofônico Alacazum Palavras Para Entreter, apresentado pela escritora Celeste Martinez e que foi ao ar no dia 27 de março de 2016, das 8 às 9h, domingo, transmissão ao vivo Rio Una FM 87,9, apreciamos a crônica de Rubem Braga intitulada: Quem sabe Deus está ouvindo, contido no livro Para gostar de ler


Quem sabe Deus está ouvindo

Outro dia eu estava distraído, chupando um caju na varanda, e fiquei com a castanha na mão, sem saber onde botar. Perto de mim havia um vaso de antúrio; pus a castanha ali, calcando-a um pouco para entrar na terra, sem sequer me dar conta do que fazia.
Na semana seguinte a empregada me chamou a atenção: a castanha estava brotando. Alguma coisa verde saía da terra, em forma de concha. Dois ou três dias depois acordei cedo, e vi que durante a noite aquela coisa verde lançara para o ar um caule com pequenas folhas. É impressionante a rapidez com que essa plantinha cresce e vai abrindo folhas novas. Notei que a empregada regava com especial carinho a planta, e caçoei dela:
- Você vai criar um cajueiro aí?
Embaraçada, ela confessou: tinha de arrancar a mudinha, naturalmente; mas estava com pena.
- Mais é melhor arrancar logo, não é?
Fiquei em silêncio. Seria exagero dizer: silêncio criminoso - mas confesso que havia nele um certo remorso. Um silêncio covarde. Não tenho terra onde plantar um cajueiro, e seria uma tolicee permitir que ele crescesse ali mais alguns centímetros, sem nenhum futuro. Eu fora o culpado, com meu gesto leviano de enterrar a castanha, mais isso a empregada não sabe, ela pensa que tudo foi obra do acaso. Arrancar a plantinha com a minha mão - disso eu não seria capaz; nem mesmo dar ordem para que ela o fizesse. Se ele o fizer, darei de ombro e não pensarei mais no caso; mais que o faça com sua mão, por sua iniciativa. Para a castanha e sua linda plantinha seremos dois deuses contrários, mais igualmente ignaros: eu, o deus da Vida; ela o da Morte.
Hoje pela manhã ela começou a me dizer alguma coisa - " seu Rubem o cajuirinho...." mais o telefone tocou, fui atender, e a frase não se completou. Agora mesmo, ela voltou da feira; trouxe um pequeno vaso com terra e transplantou para ele a mudinha.
Veio me mostrar:
- Eu comprei um vaso...
-Ahn...
Depois de um silêncio, eu disse:
-Cajueiro sente muita a mudança, morre à toa...
Ela olhou a plantinha e disse com convicção:
-Esse aqui não vai morrer, não senhor.
Eu devia lhe perguntar o que ela vai fazer com aquilo, daqui a uma, duas semanas. Ela espera, talvez, que eu o leve para o quintal de algum amigo; ela mesma não tem onde plantá-lo. Senti que ela tivera medo de que eu a censurasse pela compra do vaso, e ficara aliviada com minha indiferença. Antes de me sentar para escrever, eu disse sorrindo, uma frase profética, dita apenas pro dizer:
-Ainda vou chupar muito caju desse cajueiro!
Ela riu muito, depois ficou séria, levou o vaso para a varanda, e, ao passar por mim na sala, disse baixo, com cera gravidade:
- É capaz mesmo, seu Rubem; quem sabe Deus está ouvindo o que o senhor está dizendo...
Mas eu acho, sem falsa modéstia, que Deus deve andar muito ocupado com as bombas de hidrogênio e outros assuntos maiores.

Rubem Braga

Poesia de Jamile Souza de Oliveira


Na 442° edição do programa radiofônico Alacazum Palavras Para Entreter, apresentado pela escritora Celeste Martinez e que foi ao ar no dia 20 de março de 2016, das 8 às 9h, domingo, transmissão ao vivo Rio Una FM 87,9, apreciamos a poesia: Natureza de Jamile Souza de Oliveira, contido no livro: Construções Poéticas a palavra viva dos alunos do Social, parceiro do Alacazum.

Natureza

Todos nós termos
Que respeitar a natureza
Reciclar, jogar lixo no lixo
Não cortar as árvores
E nem tirar flores.

Todos nós temos
Que regar as plantas
Porque a natureza
Tem vida

Não matar os animais
Que vivem na naturez
Sempre nós temos
Que cuidar e reciclar.

Jamile Souza de Oliveira

Poesia de Israel Guilherme Lopes de Brito


Na 443° edição do programa radiofônico Alacazum Palavras Para Entreter, apresentado pela escritora Celeste Martinez e que foi ao ar no dia 27 de março de 2016, das 8 às 9h, domingo, transmissão ao vivo Rio Una FM 87,9, apreciamos a poesia de Israel Guilherme Lopes de Brito, contida no livro: Construções Poéticas, do Colégio Social, parceiro do Alacazum.


Dia a dia

O dia é bom
A noite também
Muitas coisas que acontecem no dia
Na noite não cai bem!

As vezes fico a pensar
No encantamento
Da terra iluminada
Pelo luar!

Logo de manhã
Abro a janela do meu quarto
Olhando toda luz
Que encanta meu ser.

Hora do café da manhã
Para depois estudar
Finalmente é hora de brincar
Mas, o banho sempre tomar!

Israel Guilherme Lopes de Brito

Escutamos Summertime com Jô Soares




Na 443° edição do programa radiofônico Alacazum Palavras Para Entreter, apresentado pela escritora Celeste Martinez e que foi ao ar no dia 27 de março de 2016, das 8 às 9h, domingo, transmissão ao vivo Rio Una FM 87,9, apreciamos a música: Summertime com Jô Soares.

Na 442° edição do Alacazum Palavras Para Entreter


O jornal Andada que circula na cidade de Valença Bahia, graças à dedicação do amigo Carlos Eduardo Passos, divulgando o Alacazum.

Carta do senhor Zé do rádio

Esta edição foi agracida pela carta do senhor Zé do rádio, fã do Alacazum.

Utilidade Pública


Na 442° edição do programa radiofônico Alacazum Palavras Para Entreter, apresentado pela escritora Celeste Martinez e que foi ao ar no dia 20 de março de 2016, das 8 às 9h, domingo, transmissão ao vivo Rio Una FM 87,9, socializamos sobre o Grupo Al-Anor Nova Esperança que se reune todos os domingos às 15 h na Rua da Matriz s/n Sala ao lado da Igreja Matriz Telefone ( 75 ) 98815 9260, com a finalidade de ajudar pessoas vitimadas pelo alcoolismo assim como as famílias.

Escutamos: Sonho com Peninha



Na 442° edição do Alacazum Palavras Para Entreter

domingo, 15 de maio de 2016

Literatura de Cordel de Sueli Valeriano

Na 442° edição do programa radiofônico ALACAZUM PALAVRAS PARA ENTRETER que foi ao ar no 20 de março de 2016, cujo tema: Sonho, aproveitamos a literatura de cordel da amiga Sueli Valeriano. Esta leitura já foi apresentada na 287° edição do dia 11 de novembro de 2001.

Na 441° edição do Alacazum Palavras Para Entreter



Na 441° edição do Alacazum Palavras Para Entreter, que foi ao ar no dia 13 de março de 2016, das 8 às 9 h de domingo, transmissão ao vivo Rio Una FM 87,9 contamos com a presença da cineasta Violeta Martinez, idealizadora do curso de cinema para jovens de escola pública em Valença , Bahia e financiado pelo Governo do Estado da Bahia.

Quatro negros e uma negra pararam na frente deste prédio.
A primeira mensagem do porteiro foi :  " Meu Deus !' A segunda : " O que vocês querem? " ou " Qual o apartamento? " Ou " Por que ainda não consertaram o elevador de serviço? "
" Estamos fazendo um filme ", respondemos.
Caroline argumentou: " Um documentário." Sei lá o que é isso, sei lá, não sei. A gente mostra o documento de identidade de cada um e pronto.
" Estamos filmando".
Filmando? Ladrão é assim quando quer sequestrar. Acompanha o dia a dia, costumes, a que horas a vítima sai para trabalhar. O prédio tem gerente de banco, médico, advogado. Menos o síndico. O síndico nunca está.
- De onde vocês são ?
- Do Morro do Pavão.
- Viemos gravar um longa-metragem.
- Metra o quê?
Metralhadora, cano longo, granada, os negros armados até as gengivas. Não disse? Vou correr. Nordestino é homem. Porteiro é homem ou não é homem? Caroline dialogou: " A ideia é entrar num apartamento do prédio, de supetão, e filmar, fazer uma entrevista com o morador."
O porteiro: " Entrar num apartamento?"
O porteiro: " Não."
O pensamento: " Tô fodido".
A ideia foi minha, confesso. O pessoal vive subindo o morro para fazer filme. A gente abre as nossas portas, mostra as nossas panelas, merda.
Foi assim: comprei uma câmara de terceira mão, marcamos, ensaiamos uns dias. Imagens exclusivas, colhidas na vida da classe média.
Caroline: " Querido, por favor, meu amor. Caroline mostrou o microfone, de longe. Acenou com o batom, não sei.
 Vou bem levar paulada de microfone? O microfone veio emprestado de um pai de santo, que patrocinou.
O porteiro apertou o apartamento 101, 102, 108.
Foi mexendo em tudo que é andar. Estou sendo assaltado, pressionado, liguem para o 190, sei lá.
 A graça era ninguém ser avisado. Perde-se a espontaneidade do depoimento. O condômino falar como é viver com carros na garagem, saldo, piscina, computador interligado. Dinheio e sucesso. Festival de Brasília. Festival de Gramado. A gente fazendo exibição no telão da escola, no salão de festas do prédio.
Não.
A gente não só ouve samba. Não só ouve bala. Esse porteiro nem parece preto, deixando a gente preso do lado de fora. O morro tá lá, aberto 24 horas. A gente dá as boas-vindas de peito aberto. Os malandrões entram, tocam o nosso passado. A gente se abre que nem passarinho manso. A gente desabafa que nem papagaio. A gente canta, rebola. A gente oferece a nossa coca-cola.
Não quer deixar a gente estrear a porra do porteiro. É foda. Domingo, hoje é domingo. A gente só quer saber como a família almoça. Se fazem a mesma festa que a nossa. Prato, feijoada, guardanapo. Caralho, não precisa o síndico. Escute só. A gente vai tirar a câmara do saco. A gente mostra que é da paz, que a gente só quer melhorar, assim, o nosso cartaz. Fazer cinema. Cinema. Veja Fernanda Montenegro, quase ganha o oscar.
- Fernanda Montenegro não, aqui ela não mora.
E avisou: " Vou chamar a polícia."
A gente: " Chamar a polícia?"
Não tem quem goste de polícia. A gente não quer esse tipo de notícia. O esquema foi todo montado num puta dum sacrifício. Nicholson deixou de ir vender churro. Caroline desistiu da boate. Eu deixei esposa, cadela e filho. Um longa não, é só um curta. Alegria de pobre é dura. Filma. O quê? Dei a ordem: filma.
Começamos a filmar tudo. Alguns moradores posando a cara na sacada. O trânsito que transita. A sirene da polícia. Hã? A sirene da polícia. Todo filme tem sirene de polícia. E tiro. Muito tiro.
Em câmara violenta. Porra, Johnattan pulou o portão de ferro fundido. O porteiro trancou-se no  vidro. Assustador. Apareceu gente de todo tipo. E a ideia não era essa. Tivemos que improvisar.
Sem problema, tudo bem.
Na edição a gente manda cortar.

Marcelino Freire. Contos Negreiros

Desafio Musical: Pingos de chuva com Marcus Pitter


 Desafio musical com Marcus Pitter

Pingos de chuva sobre mim.
E eu vou seguindo meu caminho.
A procurar, alguém só para mim.
Assim com pingos de chuva.
Em meu rosto caindo.

Mais não faz mal se o sol.
Não quer brilhar.
Pois não é ele que vai impedir.
Que chegue a mim felicidade.
Eu vou sempre seguindo.
Com pingos de chuva.

Sempre a cair do céu.
Que existe os dias tristes.
Mais eu sofro, eu sofro tanto.
E a esperança vai morrendo.

Os pingos de chuva sobre mim.
Molham o meu rosto e o meus olhos.
A chorar e as lagrimas.
Que vão caindo como a chuva.
Se perdendo na rua sempra a cair.
Estão sempre a cair.

Eu sofro, eu sofro tanto.
E a esperança vai morrendo.

Os pingos de chuva sobre mim.
Molham o meu rosto e o meus olhos.
A chorar e as lagrimas.
Que vão caindo como a chuva.
Se perdendo na rua sempra a cair.
Estão sempre a cair.

Marcus Pitter

Dica de Leitura: Recados e Poesias do Francisco Negrão Porto

Novamente divulgamos o livro: Recados e Poesias do Francisco Negrão Porto, a renda arrecadada será revestida para o lar dos velhinhos em Valença, Bahia

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Natureza de Gerval Teófilo Brito das Neves Júnior




Na 441° edição do programa radiofônico Alacazum Palavras Para Entreter, apresentado pela escritora Celeste Martinez, que foi ao ar no dia 13 de março de 2016, das 8 às 9 h, transmissão ao vivo Rio Una FM 87,9 apoio cultural: Jornal Valença Agora, Colégio Social e Pizzaria Os Martinez. Apreciamos o poema: Natureza de Gerval Teófilo Brito das Neves Júnior, aluno do Colégio Social. O poema integra o livro: Construções Poéticas - a palavra viva dos alunos do Social-



Natureza

Vou falar da natureza
Cheia de beleza
Lá tem vários animais
Amo os lindos pardais.

Da natureza temos que falar
Tirar fotos e registrar
E colocar em todo lugar
Para ela respeitar.

Tem frutas
Tem animais
Tem grutas
E são bem legais.

Pássaro branco
Com isso seja franco
De todo coração
Amo esse mundão


Gerval Teófilo Brito das Neves Júnior

Fábula de Esopo: Vênus e a Gata


Na 441° edição do programa radiofônico Alacazum Palavras Para Entreter, apresentado pela escritora Celeste Martinez, que foi ao ar no dia 13 de março de 2016, das 8 às 9 h, transmissão ao vivo Rio Una FM 87,9 apoio cultural: Jornal Valença Agora, Colégio Social e Pizzaria Os Martinez. Apreciamos a fábula: Vênus e a Gata enviada pela minha irmã Deo Queiroz.


Fábula de Esopo

Vênus e a Gata

Uma gata se apaixonou por um rapaz e pediu por favor a Vênus que fizesse com que ela virasse moça, pois achava que assim podia conquistar o rapaz. A paixão era tanta que a deusa ficou com pena e transformou a gata numa linda garota. O rapaz se apaixonou por ela no mesmo instante e pouco depois os dois se casaram. Um dia Vênus resolveu verificar se a gata tinha mudado por fora e mandou um rato passear pelo quarto onde estava o casal. A garota, completamente esquecida de quem era, correu atrás do rato para agarrar o bicho. Parecia que estava querendo comer o rato na mesma hora. Vendo aquilo, ficou tão chateada que imediatamente transformou a moça de novo em gata.

Moral: A aparência pode ser mudada mas a natureza não.

Dica de Leitura: O pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry



A dica de leitura da edição 441 do Alacazum palavras para entreter doi indicação da minha irmã Deo Queiroz.

Morre aos 71 anos o percussionista Nana Vasconcelos


Na 441° edição do programa radiofônico Alacazum Palavras Para Entreter, apresentado pela escritora Celeste Martinez, que foi ao ar no dia 13 de março de 2016, das 8 às 9 h, transmissão ao vivo Rio Una FM 87,9 apoio cultural: Jornal Valença Agora, Colégio Social e Pizzaria Os Martinez.

O percussionista Nana Vasconcelos de 71 anos, morreu na manhã de quarta-feira, dia 9 de março de 2016, no Recife. Ele tinha câncer de pulmão e estava internado há dez dia.

Escutamos: Cego Aderaldo com Nana Vasconcelos




Na 441° edição do programa radiofônico Alacazum Palavras Para Entreter, apresentado pela escritora Celeste Martinez, que foi ao ar no dia 13 de março de 2016, das 8 às 9 h, transmissão ao vivo Rio Una FM 87,9 apoio cultural: Jornal Valença Agora, Colégio Social e Pizzaria Os Martinez. Apreciamos a música: Cego Aderaldo com Nana Vasconcelos

Socializando o curso de cinema para jovens de escola pública em Valença Ba


Socializamos mais uma vez, o curso de cinema para jovens de escola pública em Valença Ba que está acontecendo no Centro de Cultura Olívia Barradas. Neste dia, contamos com a presença da cineasta Violeta Martinez que nos falou um pouquinho sobre o projeto que é financiado pelo Governo do Estado da Bahia.

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Na 440° edição do programa radiofônico Alacazum Palavras Para Entreter



Escutamos: Dora, composição de Dorival Caymmi, com Toquinho e Vinicius de Moraes

Escutamos: Para uma mulher com Antonio Carlos e Jocafi


Na 440° edição do programa radiofônico Alacazum Palavras Para Entreter, apresentado pela escritora Celeste Martinez, que foi ao ar no dia 6 de março de 2016, das 8 às 9 h, transmissão ao vivo Rio Una FM 87,9 apoio cultural: Jornal Valença Agora, Colégio Social e Pizzaria Os Martinez. O tema versou sobre: O dia internacional da mulher. Apreciamosa música: Para uma mulher com Antonio Carlos e Jocafi.

Escutamos: Mulher com Mariene de Castro


Na 440° edição do programa radiofônico Alacazum Palavras Para Entreter, apresentado pela escritora Celeste Martinez, que foi ao ar no dia 6 de março de 2016, das 8 às 9 h, transmissão ao vivo Rio Una FM 87,9 apoio cultural: Jornal Valença Agora, Colégio Social e Pizzaria Os Martinez. O tema versou sobre: O dia internacional da mulher. Apreciamos a música: Mulher na voz belíssima de Mariene de Castro.


Mulher

Eu sou o vento que nas nuvens
vasculha o céu e faz trovoar
Eu sou o vento ora tão forte, ora enfraquece
Meu corpo não tem forma alguma
Não posso ver, não posso falar
Só sei que empurro algumas coisas...
E essas coisas...
Ah! Se eu pudesse ver
O céu, o seu corpo e o mar
O meu sentimento é maior
Que o seu que é sorrir e chorar
Mulher carrega o mar na barriga
Mulher carrega o oceano também
Mulher,
eu sou,
você também é Mulher
Composição: Gerônimo

Vídeo do texto escrito pelo professor Erahsto Felicio


Celeste Martinez, interpreta texto escrito pelo professor Erahsto Felício, publicado no Jornal Valença Agora Semanal.

Vídeo do texto escrito pelo Defensor Público Carlos Maia



Celeste Martinez, interpreta o texto escrito pelo Defensor Público Carlos Vasconcelos Maia Filho. Texto publicado no Jornal Valença Agora Semanal, número 565, de 25 a 2 de abril de 2016.

Vídeo do poema da Cora Coralina


Celeste Martinez, interpretando o poema de Cora Coralina

Oração de Aninha ( aos moços ) de Cora Coralina


Na 440° edição do programa radiofônico Alacazum Palavras Para Entreter, apresentado pela escritora Celeste Martinez, que foi ao ar no dia 6 de março de 2016, das 8 às 9 h, transmissão ao vivo Rio Una FM 87,9 apoio cultural: Jornal Valença Agora, Colégio Social e Pizzaria Os Martinez. O tema versou sobre: O dia internacional da mulher. Apreciamos o poema: Oração de Aninha ( aos moços ) de Cora Coralina.


Oração de Aninha ( aos moços )

Eu sou aquela mulher
a quem o tempo
muito ensinou.
Ensinou a amar a vida.
Não desistir da luta.
Recomeçar na derrota.
Renunciar a palavras e pensamentos negativos.
Acreditar nos valores humanos.
Ser otimista.

Creio numa força imanente
que vai ligando a família humana
numa corrente luminosa
de fraternidade universal.
Creio na solidariedade humana.
Creio na superação dos erros
e angústias do presente.

Acredito nos moços.
Exalto sua confiança,
generosidade e idealismo.
Creio nos milagres da ciência
e na descoberta de uma profilaxia
futura dos erros e violências
do presente.

Aprendi que mais vale lutar
do que recolher dinheiro fácil.
Antes acreditar do que duvidar.

*Cora Coralina

Retirado do site: http://casadafilosofiaclinica.blogspot.com.br/2013/10/ofertas-de-aninha-aos-mocos.html


A mulher e a casa de João Cabral de Melo Neto


Na 440° edição do programa radiofônico Alacazum Palavras Para Entreter, apresentado pela escritora Celeste Martinez, que foi ao ar no dia 6 de março de 2016, das 8 às 9 h, transmissão ao vivo Rio Una FM 87,9 apoio cultural: Jornal Valença Agora, Colégio Social e Pizzaria Os Martinez. O tema versou sobre: O dia internacional da mulher. Apreciamos na abertura do programa o poema: A mulher e a casa de João Cabral de Melo Neto

A mulher e a casa


Tua sedução é menos
de mulher do que de casa:
pois vem de como é por dentro
ou por detrás da fachada.

Mesmo quando ela possui
tua plácida elegância,
esse teu reboco claro,
riso franco de varandas,

uma casa não é nunca
só para ser contemplada;
melhor: somente por dentro
é possível contemplá-la.

Seduz pelo que é dentro,
ou será, quando se abra;
pelo que pode ser dentro
de suas paredes fechadas;

pelo que dentro fizeram
com seus vazios, com o nada;
pelos espaços de dentro,
não pelo que dentro guarda;

pelos espaços de dentro:
seus recintos, suas áreas,
organizando-se dentro
em corredores e salas,

os quais sugerindo ao homem
estâncias aconchegadas,
paredes bem revestidas
ou recessos bons de cavas,

exercem sobre esse homem
efeito igual ao que causas:
a vontade de corrê-la
por dentro, de visitá-la.

**João Cabral de Melo Neto (9 de janeiro de 1920, Recife - 9 de outubro de 1999, Rio de Janeiro) foi um poeta e diplomata brasileiro. Sua obra poética, marcada pelo rigor estético, com poemas avessos a confessionalismos e marcado pelo uso de rimas toantes, inaugurou uma nova forma de fazer poesia no Brasil.


Retirado do blog:

http://amoraroxa.blogspot.com.br/2008/02/mulher-e-casa-joo-cabral-de-melo-neto.html



Na 439° edição do Alacazum Palavras Para Entreter


Na 439° edição do programa radiofônico Alacazum Palavras Para Entreter, apresentado pela escritora Celeste Martinez, que foi ao ar no dia 28 de fevereiro de 2016, das 8 às 9 h, transmissão ao vivo Rio Una FM 87,9 apoio cultural: Jornal Valença Agora, Colégio Social e Pizzaria Os Martinez. O tema versou sobre: O que há de errado com a minha cara? Baseado no projeto homônimo criado por produtores agrícolas franceses para promover a venda de frutas que não agradam visualmente o consumidor.


Retirado do site da Uol.com.br

Intitulado “Quo ima guele?” – O que há de errado com a minha cara? – um projeto de sucesso iniciado por um grupo de produtores franceses para promover as frutas que não agradam visualmente foi abraçado pelo varejista Intermarchè e representou um aumento de 24% nas vendas dos supermercados da rede.
Após constatar, a partir de uma pesquisa de mercado, que 1.200 kg de frutas e vegetais feios eram vendidos graças a um desconto de 30%, a rede lançou a campanha na qual os alimentos que seriam descartados eram comprados e revendidos nas unidades da rede em gôndolas com nomes diferentes, como “a maçã grotesca” e “ a desfigurada beterraba”. 
Além disso, eram distribuídos para o consumidor sucos e sopas feitos com esses alimentos, para provar aos clientes que a aparência é o único aspecto no qual os alimentos “feios” diferem dos demais.

Escutamos: Feio com Los Paquitos



Na 439° edição do programa radiofônico Alacazum Palavras Para Entreter, apresentado pela escritora Celeste Martinez, que foi ao ar no dia 28 de fevereiro de 2016, das 8 às 9 h, transmissão ao vivo Rio Una FM 87,9 apoio cultural: Jornal Valença Agora, Colégio Social e Pizzaria Os Martinez. O tema versou sobre: O que há de errado com a minha cara? Baseado no projeto homônimo criado por produtores agrícolas franceses para promover a venda de frutas que não agradam visualmente o consumidor.


Obs: o telefone mais uma vez não funcionou impossibilitando-nos de realizar o programa planejado onde seriam feitas perguntas ao público sobre o tema.

Escutamos: Aparências com Márcio Greyck



No momento nostalgico do Alacazum, recordamos a música: Aparências com Márcio Greyck